A dopamina é um hormônio neurotransmissor que atua no sistema nervoso central do corpo humano, e está ligada às emoções e às capacidades de aprendizado e atenção. E o que isso tem a ver com a moda? Segundo as novas tendências, tudo! De acordo com estudos recentes, as roupas impactam muito mais do que apenas a maneira com que vemos os outros e somos vistos: elas têm o poder de influenciar nosso humor e, consequentemente, alterar o rumo dos nossos dias.

A tendência do Dopamine Dressing é fácil de seguir e pode trazer mudanças significativas à rotina de quem a adota. Confira suas características!

 

O poder das cores

Da psicologia ao marketing, centenas de estudos comprovam que as cores têm impactos diretos em nosso humor. Dentro do universo da moda, não poderia ser diferente. Roupas de tonalidades quentes, como o vermelho, o laranja e o amarelo, costumam ser lidas como alegres, estimulantes e dinâmicas. Já os tons frios, como o azul, o verde e o roxo, são frequentemente associados à tranquilidade e seriedade.

O Dopamine Dressing se utiliza desta teoria para apontar as cores que mais fazem sentido com a temporada, e já vem se manifestando entre as mais clássicas grifes: no desfile de inverno da Valentino, realizado no início de março de 2022, o tom que dominou a noite – das peças à decoração do ambiente – foi o rosa. Batizada de Pink PP, a cor foi criada pelo designer em parceria com a Pantone, e remete à liberdade, individualidade, curiosidade e invenção. Dentro de um contexto de retomada e reconstrução do convívio social ao redor de todo o mundo, a cor carrega um poderoso e energético recado.

Para além dos simbolismos culturais, as cores carregam significados individuais, o que significa que qualquer cor pode fazer uma pessoa sentir-se mais feliz e bem consigo mesma. Para alguns, as escolhidas são as mais alegres e vivas, enquanto outros preferem as mais neutras e leves. Usar cores que você ama pode aumentar a autoconfiança e, consequentemente, promover a sensação de felicidade e bem-estar.

 

Conexões emocionais

Já percebeu como vestir sua peça de roupa preferida pode te dar um ânimo extra? Este é outro conceito por trás do dopamine dressing: a conexão emocional. As roupas podem nos lembrar de momentos especiais e pessoas queridas, o que agrega valor imaterial às peças. Nesse sentido, a característica cíclica da moda pode ser uma aliada ao Dopamine Dressing: tendências de décadas anteriores voltam à ativa constantemente, o que nos permite revisitar cortes, cores e peças que não eram vistos há muito tempo. É claro que você não precisa esperar que as suas roupas favoritas voltem às passarelas – use o que te trouxer alegria!

Seguindo essa linha de pensamento, muitas pessoas associam o Dopamine Dressing ao método de organização de Marie Kondo, que usa os sentimentos para guiar a organização da casa. A ideia é simples: manter apenas os itens que trazem felicidade e desapegar dos objetos que não despertam alegria, depois de expressar gratidão. Ao aplicar este método à organização do seu armário, embarcar na onda do Dopamine Dressing pode ficar muito mais fácil. Afinal, você terá apenas roupas, sapatos e acessórios que te fazem feliz.