O uso de inteligência artificial na indústria do varejo vem se tornando cada vez mais usual. De acordo com uma pesquisa realizada pela IBM, as principais aplicações da IA são: previsão de demanda (85%), planejamento da cadeia de suprimentos (85%), inteligência do cliente (79%), marketing e publicidade (75%), operações da loja (73%) e preços e promoção (73%).

O setor da moda

A tendência conquistou o setor da moda: segundo pesquisa do IMRG & Hive, três quartos das empresas de fashion retail irão investir em ferramentas de IA nos próximos anos. Isso porque a ferramenta traz um potencial extra: o de enxergar tendências com meses de antecipação. As empresas conseguem coletar dados diretamente com o público-alvo e utilizar o BigData para desenvolver novas coleções, baseadas nos desejos dos usuários. Processos antes feitos manualmente por profissionais especializados agora podem ser desenvolvidos com a assistência da inteligência artificial, com prazos mais curtos.

Grande parte do conhecimento bruto para antecipar as tendências já está disponível, o que falta é a organização e análise de dados. Empresas como StitchFix e Finery coletam dados de navegação do site, como sequência de seleção de produtos, palavras-chave do mecanismo de busca e configuração de filtros de cor, tecido, corte e estilo. A partir de tais informações, já é possível iniciar o estudo de análise de tendências.

blank

E o futuro?

A análise de tendências na moda não só impulsiona as vendas e posiciona a marca como trendsetters, mas também auxilia a evitar desperdícios. Com o tempo, o apoio da inteligência artificial será essencial não só para o atendimento ao cliente, mas para todos os passos do desenvolvimento das peças: da construção da coleção até a distribuição para o usuário final.

Continue acompanhando o blog da Vitrine Retail! Fique atento à nossa página do LinkedIn.